Cantora, compositora e violonista, Ana Costa é uma das vozes do samba nas noites cariocas e em shows pelo país, promovendo o gênero e a MPB com o seu trabalho autoral mesclado a composições de diversos compositores. No Trapiche Gamboa realiza a sua roda de clássicos do samba tradicional e canções aclamadas da MPB, como as de Vinicius de Morais, Tom Jobim e Chico Buarque em arranjos de samba. Ela canta também faixas dos seus CDs e sambas de seu padrinho musical, Martinho da Vila, que gravou em homenagem no DVD “Pelos caminhos do som” — trabalho que lhe rendeu mais uma indicação ao “Prêmio da Música Brasileira 2016” como melhor cantora de samba.

Ana, por seu forte e melódico timbre vocal e bela interpretação, é considerada no samba como a “cantora que todo mundo gosta”. Como diria o finado Mestre Marçal, vem “provando o mingau pela beirada do prato”, conduzindo a carreira consciente do próprio valor e das próprias possibilidades de êxito. Ela já mostrou “seu carnaval”, já mirou “novos alvos” e atualmente afirma que “o hoje é o seu melhor lugar”. Já foi eleita Revelação no 5º “Prêmio Rival Petrobrás de Música”; participou do CD “Mário Lago, homem do Século XX”, em homenagem a Mário Lago; em 2006, foi eleita “Artista Revelação” no 5º “Prêmio Rival Petrobrás de Música” com o primeiro CD “Meu Carnaval”; em 2007 foi indicada como “Melhor Cantora de Samba” e ”Melhor Cantora no Voto Popular” na 5ª Edição do “Prêmio TIM de Música” com o CD “Novos Alvos”; interpretou a música tema “Viva Essa Energia”, dos jogos Pan-americanos de 2007, na cerimônia de abertura no Maracanã ao lado de Arnaldo Antunes, e em 2013 foi indicada pela segunda vez ao “Prêmio da Música Brasileira” na categoria melhor cantora de samba.

Evento do FB:

Couvert artístico: R$25 (lista amiga: R$18). 18 anos. A casa abre às 18h30.