O Afoxé Filhos de Gandhi do Rio de Janeiro comemora 66 anos de muita luta e resistência, no próximo dia 12 de agosto, sábado, na Praça dos Estivadores, na Rua Camerino, a partir das 14h. Vários convidados farão parte desta festa entre entidades parceiras e artistas. Já estão confirmados o grupo de danças populares Dandalua, o Maracatu do Baque Mulher, Orumilá, Tambor de Crioula Três Marias, Mano Teko e o Agbara Dudu.

A Associação Cultural Recreativa Filhos de Gandhi RJ, entidade cultural de defesa dos povos originários e tradicionais que construíram o país, foi fundada em 12 de agosto de 1951 como bloco de embalo por trabalhadores da região portuária da cidade do Rio de Janeiro, sendo um movimento cultural negro pioneiro no estado. Dois anos depois se torna um Afoxé, palavra em Yorubá que significa “o enunciado faz acontecer” e que em nagô significa “o sopro do pó”, “o som que sai da boca quando o pó é soprado e o transforma em verbo”. O Afoxé cultural realizado pelos Filhos de Gandhi é também conhecido como candomblé de rua e que é do carnaval, é um cordão de carnaval tão especial e original que, não fica apenas no carnaval e extravasa para outros momentos do ano. Tem um ritmo próprio chamado Ijexá, que assim como prediz a mitologia e cultura Yorubá ensinada pelos grios, vai misturando o profano e o sagrado. Defensora da memória dos povos tradicionais de matriz africana, a instituição vêm desde a sua criação valorando as manifestações do povo negro como a musicalidade, indumentária, cultura alimentar, canto, dança, rituais e comportamento. A instituição é tradicional, resiste e realiza cultura, arte, educação, festa, política e cidadania, por meio da coletividade. É o primeiro grupo a representar, propagar e festejar a cultura afro-brasileira no estado do Rio de Janeiro. Desde a sua criação, desfila no carnaval carioca e atualmente atua em diversas datas comemorativas presentes no calendário carioca, como o Presente de Yemanjá (2 fevereiro) e Consciência negra/Zumbi dos Palmares (20 novembro). Filosofia de paz, resistência, irmandade, tradição e promoção da justiça social são marcas registradas do grupo que se encontra na região conhecida como “Pequena África”. Neste local, esquecido durante muitos anos, sobrevive a cultura que serviu de base para os diversos ritmos, ritos, comportamentos e práticas que auxiliaram na construção da riqueza e da identidade de nosso país, se tornando um verdadeiro legado de herança do povo. Atualmente revitalizada (para quem?) e usufruída por uma elite, que busca mascarar as marcas opressoras, permitindo que ocorra o genocídio do povo negro e violência contra a mulher negra. A região se fortalece e ainda respira os vestígios históricos de sua fundação. O povo que ali vive não morreu para precisar ser ressuscitado mas, luta para sobreviver e à procura de empoderar e sair da invisibilidade. Revitalização é para quem tem condições privilegiadas e nós buscamos a condição de ter vida com qualidade pois resistimos e não pode ser proibido existir e viver. É preciso resistir! Jamais nos impedirão de existir! Celebramos também o Cais do Valongo, local de chegada dos irmãos e irmãs provindos de África e hoje considerado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Uma vivência na região é um mergulho nesta cultura de resistência, é um verdadeiro mosaico de ancestralidade com o contraste das obras modernas recém construídas.
É neste local, que o Afoxé Filhos de Gandhi RJ se encontra enraizado e onde celebrará seu aniversário de 66 anos de existência, lutas e resistência. Fantástica música que toca no bater dos nossos corações, maravilhosas danças populares e espetaculares convidados com muito axé te esperam! Venha estar conosco nesta grandiosa festa! Venha se divertir, aprender e vivenciar um pouco da nossa história. Então toca a zabumba que a terra é nossa! E segura a marimba “mermão”! Ajayô!