Criado poucos meses antes, no Morro da Conceição, em março de 2009 o Terreiro de Breque veio oficialmente ao mundo em forma de roda de samba. E com isso já são nove de anos de história, comemorados com muito samba, é claro, no próximo dia 3 de março, sábado, a partir das 16h, no Espaço Catete. Como convidados, um grande parceiro do grupo, ao longo desse tempo, Alexandre Nadai; e quatro ex-integrantes com status de fundadores: André Batata, Fernanda Magá, Fernando Amorim e Quel Santos. Ou, como os apelidamos, carinhosamente: a Velha Guarda do Terreiro de Breque.

A HISTÓRIA DO TERREIRO DE BREQUE

No réveillon de 2008/2009, no Morro da Conceição, um samba improvisado avançou pela madrugada no antigo Bar do Beto, com o povo amigo do Foliões Unidos do Bloco Alheio (Fubá), Raphael Vidal e Roberto Kuru à frente. Era a semente do Terreiro de Breque, que germinou pela iniciativa de Fernando Amorim, Renan Sardinha, Zeh Gustavo e Quel Santos. Logo depois, juntou-se ao grupo, ainda nas primeiras apresentações, a cantora Fernanda Magá e o cantor e percussionista André Batata.

Alguns saíram, outros músicos chegaram e o Terreiro de Breque continua, fiel a seus princípios de promover rodas democráticas, abertas sempre às participações de músicos amigos, em eventos gratuitos ou com preços acessíveis, muitas vezes na base do chapéu. A proposta musical abrange pra valer o samba de breque, renegado pelas outras rodas do Rio. Toma para si e enaltece as várias praças e vertentes que fizeram a história do samba. Faz-se voz do que tentam calar. Permite e promove a música inédita e canções ou autores pouco cantados por aí, sem o estigma de que “isso não funciona numa roda de samba”. Com entrega, alma e amor, tudo funciona!

Terreiro de Breque, 9 anos: faça parte dessa história!

Serviço
IX Aniversário do Terreiro de Breque
Roda de samba com o grupo e convidados especiais: Alexandre Nadai, André Batata, Fernanda Magá, Fernando Amorim e Quel Santos
Data: sábado, 3 de março, 16h
Local: Espaço Catete (R. do Catete, 97)
Entrada franca (Os músicos passam o chapéu)