A participação das mulheres na história do samba sempre foi essencial, mas muitas vezes a atuação feminina foi pouco reconhecida. E agora, mais do que nunca, é hora de cantar e celebrar a vida e a contribuição de compositoras, ritmistas, intérpretes e trabalhadoras do samba. Chegou a vez de Ivones, Jovelinas, Ciatas e tantas Marias que não podemos mais deixar de lembrar.

E como muito do que acontece no mundo do samba, a homenagem às mulheres não poderia ter sido diferente. Foi a partir da construção coletiva de uma ideia que veio o reconhecimento oficial de quem sempre deu vida à alegria dos acordes. De uma página no facebook, para as mãos de um vereador, passando por votação na Câmara e, enfim, sancionada pelo prefeito do Rio. Esse foi o caminho da Lei Nº 6.454, de 4 de janeiro de 2019, que institui o ‘Dia da Mulher Sambista’ no calendário carioca. A data será comemorada em 13 de abril, dia do nascimento de Dona Ivone Lara – a primeira mulher a estar numa ala de compositores e assim, quebrar o estigma da composição ser um lugar masculino.

Sem apoio da prefeitura ou de empresas, mas com muita vontade de fazer valer o Dia da Mulher Sambista, produtoras culturais, artistas e outras profissionais estão juntas na construção de um evento de resistência das mulheres sambistas. Por isso, contamos com a ajuda e participação de todas e todos que acreditam que está mais do que na hora de celebrarmos essas guerreiras muitas vezes esquecidas. Doe qualquer valor para nossa Vakinha e contribua para a construção desse dia lindo e histórico para as mulheres e a cultura do Rio de Janeiro.

https://www.vakinha.com.br/vaquinha/rodas-das-mulheres-dia-da-mulher-sambista-dia-da-mulher-sambista

Nosso samba acontece dia 13 de abril, na Cinelândia e contará com a apresentação de quatro grupos: Primavera das Mulheres, É Preta, Moça Prosa e Negras Raízes, entre outras participações. O projeto é organizado e realizado apenas por mulheres, e o valor da vakinha será usado para custear os custos estruturais do evento e cobrir uma ajuda de custo mínima para a produção e para as artistas.

Produção: Patricia Rodrigues, Diana Nascimento e Renata Ribeiro.
Construção coletiva: Primavera das Mulheres, Flor de Samba, É Preta, Moça Prosa, Negras Raízes e Cris Pantoja
Apoio: Tarcísio Mota, Reimont, Dani Monteiro, Renata Souza, Eliomar, Talíria Petrone.