PROJETO LIBERTADOR – Cinema, Rodas de Conversas e Performance

Dias 7, 14 e 21 Janeiro – 13h às 18h30min
Local: Memorial Municipal Getúlio Vargas
Praça Luís de Camões – subsolo-Glória – Ponto de referência Rádio Globo – Rua do Russel
Ambiente Climatizado

No mês de Janeiro, O PROJETO LIBERTADOR, com apoio cultural do IPEAFRO e do ISER, apresenta uma ocupação especial no Memorial Municipal Getúlio Vargas:

– Mostra de Filmes Abdias Nascimento – IPEAFRO;

– Exposição de livros de Abdias Nascimento e do IPEAFRO;

-Reprodução de poemas na voz do Abdias Nascimento;

– Convidados e Roda de conversa; e

– Performance Libertador – baseada no Poema Padê de Exu – Ator Thiago Viana

MOSTRA DE FILMES ABDIAS NASCIMENTO – IPEAFRO
Dias 07,14 e 21: Evento Gratuito
Programação a partir das 13h

EXU REI – Abdias Nascimento – filme de Bárbara Vento – 2017 – 20 min.
A cineasta estabelece um paralelo entre o arquétipo de Exu e a emblemática atuação de Abdias Nascimento no Campo das Artes e da Política.

IPEAFRO SANKOFA 2010 – IPEAFRO – 2010 – 18min.
Vida e Obra de Abdias Nascimento no acervo documental e museológico do Ipeafro.

ABDIAS NASCIMENTO MEMÓRIA VIVA – IPEAFRO – 2005 – 23min
Conjunto de ações comemorativas dos 90 anos de Abdias Nascimento (2004).

UM AFROBRASILEIRO NO MUNDO – IPEAFRO – 2005 – 26min.
A atuação de Abdias Nascimento durante o exílio (Universidade Wesleyan, EUA, 1970).

MOMENTOS POLÍTICOS – IPEAFRO – 2005 – 32min
Participação de Abdias Nascimento no processo de redemocratização do Brasil e na construção de políticas de combate ao racismo.

RODA DE CONVERSA LIBERDADE DOS CULTOS E CRENÇAS
Dia 7 de Janeiro às 15h30min: Evento Gratuito

Convidados:

IVANIR DOS SANTOS

Babalawô; Doutorando em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGHC/UFRJ); Coordenador da Coordenadoria de Religiões Tradicionais Africanas, Afro-brasileiras, Racismo e Intolerância Religiosa (ERARIR/LHER/UFRJ); Conselheiro Estratégico do Centro de Articulações de População Marginalizada (CEAP); Interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR); Conselheiro Consultivo do Cais do Valongo; Vice-presidente da América Latina no Conselho Internacional African traditional religious organizations, the Ancient Religion Societies of African Descendants International Council (ARSADIC), Nigéria.

MÁRCIO JAGUN

Advogado, babalorixá e escritor, é atualmente Coordenador Estadual de Promoção da Liberdade Religiosa. Ele preside o Instituto Ori, dedicado à cultura afro brasileira, e atua como professor e consultor em História e Cultura Ioruba no Programa de Estudos e Pesquisa das Religiões (PROEPER) da UERJ.

TULA PEREIRA

Mestra em Relações Étnico-Raciais pelo (CEFET-RJ). Especialista em Linguagens Artísticas, Cultura e Educação pelo (IFRJ) e licenciada em dança pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É professora no Colégio Pedro II e faz parte do quadro de docentes da Prefeitura Municipal de Japeri. Possui experiência em artes/dança, atuando como docente, coreógrafa e pesquisadora nas áreas de Dança-Educação, Performance, Relações Étnico-Raciais, Gênero, Cultura Popular e Religiões de afro-brasileiras. É intérprete criadora na Companhia Folclórica do Rio-UFRJ, coordenado pela prof. dra. Eleonora Gabriel. É pesquisadora e colaboradora do Projeto em Africanidade na Dança-Educação (PADE-UFRJ), coordenado pelo prof. Alexandre.

THAIS ROSA PINHEIRO

Mestra em Memória Social (UNIRIO), Especialista em Analise Ambiental e Gestão do Território (ENCE), Especialista em Economia, Turismo e Gestão Cultural (UFRJ), Turismóloga, Pesquisdora e Fundadora do Conectando Territórios que aproxima pessoas a partir de experiências de turismo de base comunitária em comunidades tradicionais como quilombolas, indígenas e comunidades urbanas e a partir de eventos, diálogos e workshops sobre a cultura da afrodiáspora.

THAIS ESPÍRITO SANTO

Graduanda em Turismo pela UFF. Poetisa. Produtora. Atriz. Atuou no K-BELA. Pela Editora Malê teve seus dois textos publicados “A pretinha e o pretinho” e “Quando parei de mandar beijos” no livro “Olhos de Azeviche – dez editoras negras, que estão renovando a Literatura Brasileira”.
___________________________________________________

RODA DE CONVERSA PADÊ DE EXÚ – CONJUNTO DE OBRAS DE ABDIAS DO NASCIMENTO

Dia 14 de Janeiro às 15h:30min: Evento Gratuito

Convidados:

ÉLE SEMOG

Éle Semog é poeta e contista, militante do movimento negro. Fundou o Grupo Negrícia Poesia e Arte de Crioulo, o Jornal Maioria Falante e o Centro de Articulação de Populações Marginalizadas. Coordenou o I, II e III Encontro de Poetas e Ficcionistas Negros Brasileiros. Seus principais livros publicados são ‘A cor da demanda’, ‘Tudo que está solto’ e ‘Guarda pra mim’. Publicou a biografia de Abdias Nascimento, intitulada ‘O griot e as muralhas’ escrita a quatro mãos com o biografado.

RODRIGO FRANÇA

Ator, Filósofo e Cientista Social.
Professor de Direitos Humanos Fundamentais

SOL MIRANDA

Atriz, pesquisadora e produtora. É co-idealizadora do Grupo Emú de Teatro Negro e coordenador do NEGRAHR – Núcleo de Estudos Geracionais Sobre Raça, Artes, História e Religião. Foi assistente de Domingos Oliveira. Pesquisadora do documentário intitulado Remoção. Atualmente, é também atriz da Cia Amok Teatro, sob direção de Ana Teixeira e Stephane Brodt; espetáculo Salina, A Última Vértebra, com o qual realizou uma turnê pela China. Graduada em Letras/ literaturas pela Universidade Veiga de Almeida. Em 2017 – direção de produção da Mostra Ultrajado – Uma Ocupação Negra, que circulou por cinco espaços do Centro do Rio.
___________________________________________________

RODA DE CONVERSA – DIA NACIONAL DO COMBATE À INTOLERÂNCIA RELIGIOSA

Dia 21 de Janeiro às 15h30min: Evento Gratuito

Convidados:

ISER

O Instituto de Estudos da Religião, ISER, é uma organização da sociedade civil, de caráter laico, comprometida e dedicada à causa dos direitos humanos e da democracia. Surgida no contexto brasileiro dos anos 1970, objetiva promover estudos, pesquisas e também intervenção social a partir de eixos temáticos plurais da sociedade brasileira, como a defesa e a garantia de direitos, segurança pública, meio ambiente, diversidade religiosa, entre outros.

MARTA FERREIRA

Ìyákèkère /Mãe Pequena Sou Marta Ferreira ti Oxum, Ìyákèkère do Ilè Aşé Omi Lare Ìyá Sagbá em Duque de Caxias. Pedagoga, Professora de História. Professora UFRRJ/Parfor Mestre em Educação/UERJ Doutoranda em Educação /Unicamp Pesquisa em Educação nos Terreiros.

MIGUEL ALVES

Pertencente a uma das mais tradicionais casas religiosas de matriz africana do Rio de Janeiro – Ilê Asè Yia Nasso Oka – fundado pela Iyalorixá Nitinha da Oxun, descendente da Casa Branca do Engenho Velho. Há 41 anos que desempenha a função de ogan, ocupa o cargo de Otu Oja Oba, além de Engenheiro Químico, tem se apresentado por vários lugares do mundo com a Orquestra ALABE FUNFU.
___________________________________________________

LIBERTADOR – Performance Ritual a partir do poema de Abdias Nascimento

Dias 07,14 e 21 às 17h:30min
Ingressos R$ 20 inteira / R$ 10 meia.
Reservas Libertadoringressos@gmail.com
Local: Memorial Municipal Getúlio Vargas – Sala de Exposições
Praça Luís de Camões – Subsolo – Glória – Próximo a Saída do Metrô.
Ambiente climatizado

Performance – ritual inspirada no Poema Padê de Exu” de Abdias Nascimento. Direção de Gatto Larsen. Interpretação e roteiro de Thiago Viana e Trilha Musical de Marcos Rum

Depois de passar com seu movimento pelo Centro Cultural Municipal José Bonifácio, Museu de Arte do Rio, Jardim Suspenso do Valongo e Ilha de Paquetá. Libertador acontecera às 17h30min, nos dias 7, 14 e 21(Domingos) no Memorial Municipal Getúlio Vargas, na Glória, dentro da Programação Vll Semana Fluminense do Patrimônio.

Sinopse

No Poema de Abdias do Nascimento “Padê de Exu, libertador” são precisos os signos entre o material e o espiritual, a liberdade e a intolerância, a opressão e a injustiça que permiti estabelecer diálogos a alienação da formação da gênese brasileira, travando conversações com atualidades da domesticação imposta as matrizes africanas iniciados no Brasil século XV.
Totalmente particular “libertador” é uma performance-ritual inspirada nos gêneros dança afro e percussão, a partir da interpretação do ator Thiago Viana com o poema “Padê de Exu, libertador” um encontro sagrado de um sacerdote ao seu orixá de prestígio, em que narra as politicas decorrente a militância do autor nos movimentos negros.